Partido Socialista vence eleições europeias na região norte. Vila Real escolhe PSD

Foto: Pixabay

O Partido Socialista venceu as eleições europeias deste domingo quer a nível nacional, quer na região norte, para o mandato 2019-2024.

Segundo os resultados globais (do território nacional e estrangeiro), que ainda estão a terminar de ser apurados nos consulados, o PS, que vai eleger nove deputados, teve 33,38%  dos votos; o PPD/PSD 21,94%, elegendo seis deputados; o B.E. 9,82%, com dois deputados; a CDU (PCP-PEV) ficou com 6,88% e vai eleger dois deputados; o CDS-PP, com 6,19%, elege um deputado; o PAN, com 5,08%, elege também um deputado. Em branco foram contabilizados 4,25% dos votos e nulos 2,69%, segundo dados disponibilizados pelo Ministério da Administração Interna.

Dados que ainda estão a ser atualizados, consoante o apuramento dos restantes consulados com menos de 100 eleitores Foto: Ministério da Administração Interna

A nível distrital, Braga deu a vitória também ao PS, com 33,50%, e o PPD/PSD, em segundo lugar, com 27,54%. Já o B.E. ficou em terceiro lugar com 8,15%, o CDS-PP, com 7,40%, o PCP-PEV, com 3,87% e o PAN, com 3,81%.

Foto: Ministério da Administração Interna

Em Bragança, o PS também ficou em primeiro, com  34,70%, seguindo-se o PSD, com 34,48%, o B.E., com 6,59%, o CDS-PP, com 6,47%, o PCP-PEV, com 2,26% e o PAN, com 2,19%.

Foto: Ministério da Administração Interna

No distrito de Viana do Castelo, o PS ficou no topo dos partidos com mais votos, com 32,22%, o PSD em segundo lugar, com 27,45%, o B.E., com 8,39%, o CDS-PP, com 7,15%, o PCP-PEV 4,29% e o PAN, com 3,70%.

Foto: Ministério da Administração Interna

No Porto, o PS também liderou a percentagem de votos, com  34,54%, seguido do PSD, com 23,37%, o B.E., com 10,25%, o CDS-PP, com 5,65%, o PANP, com 5,59% e o PCP-PEV, com 4,97%.

Foto: Ministério da Administração Interna

Em Viseu, o PS, que teve mais votos, com 32,57% , seguido do PSD, com 30,66%, o B.E., com 7,67%, o CDS-PP, com 6,66%, o PAN, com 3,38%, e o PCP-PEV, com 2,84%.

Foto: Ministério da Administração Interna

Já em Vila Real, o único distrito da zona norte onde venceu o PSD e que ficou em primeiro, com 35,79%, seguindo-se o PS, com, e 34,08%, o B.E., com 6,65%, o CDS-PP, com 4,82%, o PAN, com 2,62% e o PCP-PEV, com 2,49%.

Foto: Ministério da Administração Interna

Em Aveiro, sendo alguns dos concelhos pertencentes à região norte, o PS teve o maior número de votos, com 31,20%, seguido do PPD/PSD, com 27,91%. Já o B.E., alcançou 9,41%, seguido do CDS-PP, com 7,67%. O PAN ficou à frente da CDU (3,10%), com 4,38% dos votos.

Foto: Ministério da Administração Interna

Na Guarda, onde pertence Vila Nova de foz Côa, da região norte, o PS também ficou em primeiro, com 34,69% dos votos. Seguiu-se o PSD, ligeiramente com menos votos, 30,55%. O B.E. teve 7,35% dos votos e o CDS-PP 5,99%. Já a CDU, ficou à frente do PAN (2,42%), com 3,17% dos votos.

Foto: Ministério da Administração Interna

A abstenção nas eleições anteriores, em 2014, foi de cerca de 66%, este ano, 31,37% dos cidadãos inscritos, cerca de três milhões de pessoas, participaram neste ato eleitoral.

Estiveram na corrida eleitoral 17 listas, mais uma do que em 2014, e estavam inscritos cerca de 10,6 milhões de eleitores em território nacional e estrangeiro.

Uma das alterações nestas eleições foi o fim do número de eleitor,sendo que os cadernos eleitorais de cada freguesia organizam-se por ordem alfabética. Este ano, também foi possível aos eleitores se inscreverem para votar antecipadamente, sem ser necessária uma justificação.

O recenseamento de cidadãos residentes no estrangeiro passou a ser automático, desde que possuam cartão de cidadão.

Além disso, a introdução da matriz em braille para os eleitores com deficiência visual poderem votar de modo autónomo foi outra alteração prevista na lei.

O Parlamento Europeu é o único órgão da União Europeia que resulta de eleições diretas. Os 751 deputados que nele têm assento, 21 deles portugueses, são representantes dos cidadãos dos 28 estados-membro da União Europeia.

Desempenha um papel ativo na elaboração de leis que se refletem no dia a dia dos cidadãos, a nível da proteção do ambiente, dos direitos dos consumidores, da igualdade de oportunidades, dos transportes, bem como da livre circulação de trabalhadores, de capitais, de serviços e de mercadorias. O Parlamento dispõe igualmente de competências para, juntamente com o Conselho, aprovar o orçamento anual da União Europeia.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta