OPINIÃO: A IV Revolução Industrial

Manuel Ramos, 57 anos, Professor

Nós vivemos num mundo globalizado, onde o acesso à informação e à tecnologia é cada vez mais facilitado. Nunca, como agora tivemos acesso a tanta informação e a custos tão baixos…

Acho que é indiscutível referir que por um valor equivalente, hoje em dia conseguimos muito mais e melhor tecnologia do que há vinte anos, o que atualmente permite acesso de qualidade a uma quantidade de serviços gigantesca.

Claro que todo esse progresso tecnológico afetou, afeta e continuará a afetar toda a sociedade, particularmente a sua indústria…

Podemos lembrar diversos gigantes empresariais, tais como a Aiwa (walkmans, micro e mini-systems), a Xerox (copiadoras e multifuncionais), a Polaroid (fotografias instantâneas) e a Telelistas (listas de telefone) como exemplos de empresas que sofreram com a evolução da informática e dos serviços associados, pois viram o seu nicho de mercado diminuir e foram obrigadas a fazer reajustamentos no seu “modus-operandi” para sobreviver.

Apesar dos exemplos citados terem sido aqueles em que as empresas sofreram perdas com a influência do progresso tecnológico, as mudanças positivas provocadas por esse mesmo progresso tecnológico são tantas e de tal magnitude que já formam aquilo que é chamado de “IV Revolução Industrial”.

Com efeito, fatores como a melhoria da capacidade de operação em tempo real e da modularidade (possíveis com a utilização de robôs e com a melhoria dos sensores e da comunicação através das redes e da internet), da virtualização, da descentralização e da rastreabilidade (possíveis com a melhoria dos sensores e da inteligência virtual) e ainda a orientação para serviços (possível graças à utilização de arquiteturas de software orientadas e à melhoria dos serviços na internet) são elementos diferenciadores, capazes de aumentar a eficácia e a eficiência na produção de bens, garantir a segurança dos processos envolvidos, monitorizar o processo produtivo e assegurar a qualidade final dos produtos.

A melhoria dos processos industriais, permite a existência de produtos industrializados mais seguros, mais fiáveis e mais baratos, ao mesmo tempo que o aumento da tecnologia utilizada nas fábricas certamente levará a diversas consequências, tais como:

  • À substituição da mão de obra não especializada por robôs e o aumento da demanda por mão de obra especializada, o que tenderá a inverter a tendência atual e a fixar as indústrias em países mais desenvolvidos, que dispõem de mais mão de obra especializada;
  • À redução de espaços necessários para estoques, possíveis com a implementação de sistemas “Just in Time”, quer para a matéria prima, quer para os produtos acabados;
  • À melhoria do ambiente proporcionada pela maior eficiência energética das fábricas e pela redução de resíduos;
  • Ao aumento da capacidade de personalização dos bens produzidos, possibilitado pela maior modularidade dos processos e pelo aumento da conectividade promovido pelas redes e pela internet.

O que o amigo leitor pensa sobre isso? Já alguma vez tinha pensado que por detrás do seu “telélé” novo podiam estar coisas tão importantes para todos?

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta