Covid-19: Conheçam aqui algumas dicas para lidar com o isolamento

Foto: Kelly Sikkema/Unsplash

A Direção-Geral da Saúde (DGS) tem vindo a publicar algumas recomendações para lidar com o isolamento, medida tomada para prevenir o contágio por Covid-19 e que está a levar a rápidas alterações nos comportamentos em sociedade e a nível familiar.

“Embora se reconheça que a boa saúde mental é fundamental para ultrapassar a pandemia Covid-19, sentimentos de tristeza, frustração, medo, ansiedade, preocupação, solidão, aborrecimento entre outros, poderão evidenciar-se ou agravar-se neste período pandémico”, refere a DGS.

Lidar com crianças/adolescentes e com a vida em família

Crianças:

  • Ao falar com as crianças para explicar a situação, deve-se colocar ao seu nível para as olhar nos olhos e utilizar palavras que compreendam, com um tom calmo e seguro;
  • A manutenção das rotinas e a previsibilidade transmitem a sensação de segurança;
  • Estar atento/a ao comportamento da criança e às suas reações emocionais;
  • Explicar que há um limite de tempo para este isolamento, uma vez que “a noção de início e de fim transmite confiança e esperança”;
  • “Cada criança tem a sua forma de expressar emoções, pelo que é importante respeitar”, sublinha;
  • “As crianças precisam de se sentir amadas, acima de tudo, e de acreditar em herois que as orientem para as boas ações e as aliviem do sentimento de destruição e de culpa”, recomenda.

Adolescentes:

  • Ter uma conversa clara e verdadeira sobre a situação que o mundo vive
  • Aplicar medidas de proteção com determinação e compreensão, mas também flexibilidade na reflexão sobre as mesmas;
  • Garantir que o/a adolescente possa contactar com os amigos “à distância, mas com privacidade”, sendo que devem ser observados em conjunto regras e limites de privacidade e de partilha.

No que diz respeito à segurança online, a DGS sugere que se tenha cuidado com a informação que é partilhada, já que “o que fica online permanece para sempre”.

Aproveitar para fazer coisas de que se gosta e cuidar de si e dos seus:

  • Fazer uma lista de desejos das coisas que gostava de ver, ouvir e fazer durante o tempo que durar o isolamento;
  • Fazer atividade física e exercícios mentais;
  • Vigiar o estado emocional;
  • Ouvir música, cante e dance;
  • Ver um filme, série ou documentário;
  • Ler um livro ou escrever uma crónica;
  • Falar com amigos e familiares por telefone;
  • Fazer cursos de línguas ou culinária online;
  • Dar aso à imaginação e rentabilizar o tempo da melhor forma.
Foto: Bench Accounting/Unsplash

Lidar com a rotina de trabalho em casa

  • Definir um espaço para trabalhar: que permita a concentração durante o trabalho e que facilite a desativação no final do dia;
  • Manter a rotina diária: organização dos horários – acordar e deitar, início e fim do trabalho, refeições; não descurar a higiene pessoal diária e o vestuário; valorizar o descanso noturno e a higiene do sono para restabelecer as energias vitais e o equilíbrio pessoal;
  • Adequar o ambiente de trabalho: o espaço para trabalhar deve estar limpo e arrumado, se possível com pouco ruído, a temperatura confortável, arejado e com iluminação natural; verificar a necessidade de aumentar ou reduzir a luz disponível e de recorrer a iluminação localizada;
  • Evitar posturas de trabalho inadequadas: procurar ajustar o mobiliário e os equipamentos de trabalho de forma a ter maior conforto e bem-estar corporal.
Foto: Christian Dubovan/Unsplash

Lidar com as despesas

  • Fazer um plano;
  • Garantir a cooperação de todos;
  • Separar e controlar as despesas obrigatórias (manutenção do essencial ao estilo de vida) e acessórias (incorporadas ao orçamento doméstico para trazer mais lazer e conforto);
  • Programar-se nas saídas para compras apenas uma vez por semana e tentar antecipar o que será preciso nos próximos 15 dias (levar uma lista do que é necessário);
  • Deixar as crianças e idosos em casa para ficarem expostos o menos possível aos riscos de infeção;
  • Otimizar os planos de TV cabo, internet e telemóvel;
  • Evitar os juros. Manter as contas em dia ou renegociar antecipadamente prazos de pagamento;
  • Economizar é um projeto familiar;
  • Trocar dívidas caras por outras mais baratas;
  • Adiar viagens, compras e projetos grandes para 2021;
  • Só comprar novo para substituir algo velho e que seja essencial;
  • Ter atenção aos incontornáveis aumentos dos consumos de luz e água;
  • Ter cuidado com as encomendas online e com as refeições prontas;
  • Cozinhar contribuirá de forma positiva para as finanças, saúde física e mental;
  • Registar todos os gastos e despesas neste período e, por mais pequena que seja, estabelecer uma quantia para poupar;
  • Ter um sonho: definir algo para fazer com essa poupança sozinho ou em família.
Foto: Adam Niescioruk/Unsplash

Lidar com idosos

A Ordem dos Psicólogos emitiu um conjunto de recomendações no que respeita à forma com lidar com esta situação de pandemia no caso dos idosos e dos seus cuidadores.

  • Manter-se informado através de fontes de informação de instituições oficiais e compreender o risco;
  • Pedir ajuda sobre o que é preciso para sentir segurança e conforto, como medicamentos, compras, produtos de higiene pessoal ou meios de comunicação;
  • Tomar rigorosamente a medicação que foi prescrita;
  • Estar atento a sintomas de doença, mesmo que sejam habituais, uma vez que podem ter, nesta situação, um significado diferente. Em caso de dúvida ou alterações às condições de saúde habituais, ligar SNS24 ou procurar um profissional de saúde;
  • Manter o contacto com familiares e amigos, já que falar com pessoas de quem se gosta e em quem se confia é uma das melhores formas de reduzir a ansiedade, a solidão ou o aborrecimento durante o período de isolamento;
  • Disponibilizar-se para aprender e adaptar-se a utilizar meios de comunicação e tecnologias, que podem facilitar o contacto social com amigos e familiares;
  • Executar atividades de que se gosta e relaxar;
  • Manter as rotinas e atividades habituais, dentro do possível;
  • Fazer exercício físico (caminha pela casa, levanta-se várias vezes ao dia, realiza exercícios simples) e ter uma alimentação equilibrada;
  • Manter-se esperançoso e confiante de que tudo vai correr bem;
  • Ligar ao idoso regularmente e encorajá-o a ligar também. Mostrar-se interessado e disponível para falar;
  • Mobilizar pessoas próximas do cidadão sénior para lhe oferecer companhia, conforto e apoio, mesmo que à distância;
  • Perder algum tempo a garantir que o idoso aprende, se necessário, e se adapta a usar os equipamentos necessários;
  • Reforçar as manifestações verbais de afecto;
  • Monitorizar o estado de saúde e de bem-estar do cidadão sénior com mais frequência – uma a duas vezes por dia;
  • Atribuir ao cidadão sénior, se possível, uma tarefa ou responsabilidade que o faça sentir-se útil;
  • Agradecer-lhe o que está a fazer e recordá-lo que está a proteger a comunidade em que vive, impedindo o vírus de se propagar, bem como que se está a proteger de potenciais contágios;
  • Suspender, temporariamente, sempre que possível, as visitas a habitações, lares ou instituições onde residam cidadãos seniores, se entender preencher um dos critérios de risco ou existir possibilidade de infeção pelo Covid-19. Da mesma forma, evitar o contacto presencial entre crianças e cidadãos seniores, caso tal se verifique.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta