OPINIÃO: Ir ao mar – Ir e voltar!

José Ramos, 70 anos, Médico de Família

Explica Saúde

Os raios solares fazem muito bem à saúde, mas é necessário saber conviver com o sol. Os abusos podem ocasionar profundo mal-estar e prejuízos graves para a saúde.

Quando o verão chega aparece a vontade de ir correr para a praia! As altas temperaturas, o litoral imenso de Portugal (nomeadamente o algarvio) com belas praias para se refrescar e bronzear são irrecusáveis.

Pensando nisso, selecionei algumas precauções indispensáveis para se manter a saúde e se divertir à beira-mar, mas nunca esquecendo que, se não souber nadar, não deve entrar no mar, apenas refrescar-se em zonas sem correntes, protegidas, quando a bandeira for verde ou amarela.

Sabendo nadar, entrar devagar na água para o organismo se adaptar à temperatura, principalmente se esteve muito tempo ao sol e, aos primeiros sinais de cansaço, sensação de frio, arrepios, cãibras, dificuldade respiratória ou outros sintomas, deve-se sair imediatamente da água.

Também deve-se ter muito cuidado no mergulho em praias rochosas, pois poderá ocasionar fraturas na cabeça e/ou em algum membro e nunca por nunca se deve mergulhar em zonas poluídas/contaminadas e não protegidas pelo salva-vidas. Nunca entrar na água com bandeira vermelha.

A exposição solar é boa e é a nossa maior fonte de vitamina D, por isso, é recomendado que fiquemos expostos ao sol todos os dias por, pelo menos, 15 minutos, sem fazer o uso do protetor solar.

Os horários ideais para estar ao sol são antes das 10h e depois das 16h, quando os raios ultravioletas (UV) não são tão fortes e é mais saudável para o corpo. Entre esses horários, encontre uma sombra e passe filtro solar a cada duas horas ou todas as vezes que sair do mar, mesmo que os produtos utilizados sejam à prova de água, nomeadamente nos ombros, face e nariz. Atenção que, mesmo quando o céu está nublado, a intensidade dos raios solares existe e os perigos de queimaduras duplicam.

Não fique muito tempo parado ao sol e proteja a cabeça e os olhos com um chapéu e óculos escuros.

Leve para a praia um bom protetor solar para o corpo e, se possível, outro especial para o rosto, que tenha um fator de proteção mais alto.

Utilize hidratantes e cremes pós-sol e, assim, ganhará um bronzeado seguro e sem insolações.

Beber bastantes líquidos, nomeadamente água é indispensável no verão. Com o calor excessivo, a hidratação do corpo é essencial para que se passem dias com energia e tranquilidade na praia. Lembre-se que transpiramos mais no verão e precisamos repor os líquidos que perdemos através da transpiração e, por esse motivo, é recomendado tomar pelo menos 2 litros de água por dia, além da ingestão de outros líquidos, como água de coco e sumos naturais de fruta (laranja, melancia, etc.).

É dificílimo resistir às delícias disponíveis à beira-mar. Pastéis, bolas de Berlim, croquetes, etc. são exemplos de comidas à venda e que poderão ser consumidas, mas com cuidado e precaução. Caso queira, faça os lanches em casa ou leve-os numa pequena bolsa térmica para serem comidos na praia.

Após comer, é necessário esperar para voltar a entrar no mar. Quando nos alimentamos, o organismo passa a dar prioridade para gastar energia no processo de digestão e, se a pessoa realizar alguma atividade física intensa, os músculos passam a necessitar de mais sangue para supri-los de oxigénio, alterando o processo digestivo e, por esse motivo, não se deve entrar no mar ou na piscina logo após uma refeição, principalmente se esta for bastante substancial. Só após duas horas é que não correrá riscos de sofrer uma congestão.

Relativamente às crianças, deve-se colocar uma pulseira de identificação, escrevendo o nome da criança, o nome do pai/mãe e, pelo menos, 2 números de telefone. Estas medidas tornam-se fundamentais, porque as crianças, com muita facilidade, escapam do nosso campo de visão, principalmente se tiverem mais de 3 anos de idade (estas situações ocorrem com muita frequência) e podem perder-se dos pais. Quanto às crianças mais velhas, podemos conversar com elas, sensibilizando-as para que não saiam da proximidade dos pais e o que devem fazer no caso de se perderem…

Especial atenção com as crianças expostas ao sol. Sabe-se que o sol é indispensável para o crescimento harmonioso da criança e o contacto direto com os raios solares fornece-lhes a vitamina D que protege o esqueleto e evita o raquitismo, influenciando a ação do cálcio (sem a vitamina D não há absorção do cálcio).

As crianças não devem ficar imóveis a apanhar sol, devem brincar e mexer-se, devido à sua pele ser extremamente sensível e a aplicação de cremes solares e hidratantes são fundamentais.

Também nunca se deve forçar uma criança a entrar na água, elas, naturalmente, vão habituar-se e entrar na água, como também nunca se deve ficar descansado (mesmo em piscinas) por elas estarem num colchão de água ou num barco, pois podem correr sérios riscos de afogamento.

As crianças com menos de 1 ano devem estar à sombra resguardadas e só devem estar em contacto com o sol por pequenos períodos de tempo e em horas em que o sol não seja muito forte (antes da 10h e após as 17h) e nunca esquecer que se deve hidratar devido aos grandes perigos de insolação muito frequentes nessas idades.

Indiscutivelmente, o mar pode surpreender e, nomeadamente nas nossas praias do norte, podem surgir ondas e correntes inesperadas e, por esse motivo, nunca devemos nadar sozinhos ou com bandeira vermelha, principalmente em praias onde não haja salva-vidas. Muito cuidado ao nadar próximo a motos de água.

Deve-se preferir o início da manhã e o final da tarde para o exercício físico. É durante esses períodos que as temperaturas estão mais amenas e propícias para a prática desportiva ou qualquer outra atividade física, em especial no verão. Após a pratica desportiva, não esquecer de se hidratar com muita água e sumos naturais e nunca com bebidas alcoólicas, mesmo a cerveja.

Areia e mar são lugares favoritos dos fungos e bactérias e, por esse motivo, se deve redobrar os cuidados de higiene para evitar doenças como as micoses e outras infeções, nomeadamente as bacterianas que podem ocasionar doenças. Após o banho de mar ou da piscina, deve-se passar por água e secar ao sol ou utilizar uma toalha.

P.S.: O vento é enganador porque não permite sentir as queimaduras ocasionadas pelo sol.

Nomeadamente as senhoras devem investir em champôs e óleos para tratamento capilar de qualidade para tratar dos seus cabelos. Esse é um dos principais cuidados na praia para se ter cabelos bonitos e saudáveis, mesmo em contacto com a água do mar ou da piscina.

No próximo artigo escreverei sobre algumas situações graves que poderão acontecer a qualquer pessoa quando de férias e junto ao mar.

Um abraço!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta