Sara Prata é a mais recente Jovem Autarca de Santa Maria da Feira

Foto: Câmara Municipal de Santa Maria da Feira

Após sete anos da primeira edição, Sara Prata foi eleita a nova Jovem Autarca do município de Santa Maria da Feira. Embora as circunstâncias vividas pela pandemia tenham alterado um pouco o seu percurso de campanha e, agora, o seu percurso de mandato, a jovem diz-se preparada, juntamente com a sua equipa, para pensar “fora da caixa” e atender da melhor forma às necessidades de todos os jovens do concelho. 

Os dois meses anteriores foram de eleições em Portugal. Em janeiro deste ano a população portuguesa exerceu o seu direito de voto nas Presidenciais; mas o que muitos não sabem é que, em dezembro, o concelho de Santa Maria da Feira também foi a votos, mas desta vez foram os mais novos na linha da frente. Pelo sétimo ano consecutivo, foi eleita a nova Jovem Autarca, para o mandato de 2021. 

Mas o que é o Jovem Autarca?

Esta iniciativa, a que deram o nome de “Jovem Autarca” apareceu na vida dos feirenses, pela primeira vez, no ano de 2014. Após uma avaliação diagnóstica realizada, por parte do município, à participação dos jovens do concelho a um nível cívico, verificou-se que o envolvimento dos mesmos nessas questões era bastante elevado, levando, assim, ao início deste projeto, por parte da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, de modo a reconhecer a importância “de uma governança participada e partilhada, para que as políticas desenhadas sejam reais, efetivas e eficazes”, como esclareceu João Silva, representante do Gabinete da Juventude da autarquia.

Já com o movimento em ação, qualquer jovem com idades entre os 13 e os 17 anos, residente no concelho, pode ser um candidato. As campanhas são promovidas pelos próprios, sendo que lhes é atribuído acesso a folhetos com a sua fotografia e a mensagem que pretendem transmitir, materiais – para que todos tenham as mesmas oportunidades – para que possam, então, tirar as suas fotografias de campanha e, no final, sendo este o ponto mais alto de toda a propaganda, existem os debates, em que os candidatos apresentam os seus casos, convicções e ideias. Os eleitores são todos os jovens do concelho com idades compreendidas entre os 11 e os 17 que, numa última fase, irão então decidir qual o seu representante no mandato seguinte do Jovem Autarca.

Os anos passam, mas o papel do jovem que ocupa este cargo mantém-se, segundo o que explica João Silva. Para além do cumprimento dos objetivos propostos pelo mesmo, durante a sua campanha, o Jovem Autarca é a figura que representa os “jovens do concelho, juntamente com a sua equipa de vereadores e jovens não eleitos, onde irão gerir um orçamento de dez mil euros e desenvolverão propostas que vão ao encontro dos reais interesses dos jovens”. Esta mesma equipa, ao longo do seu mandato, “tem assento no Concelho Municipal de Juventude de Santa Maria da Feira, sendo também convidada para os vários momentos solenes em representação de todos os jovens do município”. 

O projeto tem sido cada vez mais apreciado pelos jovens do concelho, com uma taxa de abstenção, nas eleições, a diminuir de ano para ano, demonstrando um maior interesse da população mais jovem do concelho; o número de candidaturas tem oscilado, mas mantém-se uma média de 16 candidatos por edição, com a exceção desta última, influenciada pela pandemia. Contudo, mesmo com o entrave, registaram-se sete candidaturas para as eleições de 2020/2021. 

Aos olhos dos candidatos

Para os jovens que são eleitos – e até para os que apenas concorrem -, esta iniciativa tem vindo a mostrar-se cada vez mais vantajosa. Segundo as informações providenciadas por João Silva, estes tendem a tornar-se “mais ativos, participativos, críticos e preocupados com a sociedade”, mantendo-se ligados, na grande maioria, a atividades relacionadas com a política, dentro e fora do município (como é o caso das Associações de Estudantes, partidárias, de cariz social ou juvenis, por exemplo).

Com experiências bem diferentes, o Jornal Referência ouviu os testemunhos da primeira e última eleitas como Jovem Autarca – Sofia Pais e Sara Prata, respetivamente. Ambas se manifestaram com entusiasmo no que diz respeito à iniciativa, definindo-a como “brilhante”, nas palavras de Sofia, e “bastante interessante”, aos olhos de Sara. 

Foto: Câmara Municipal de Santa Maria da Feira

Para a primeira eleita, uma vez que não havia mandato anterior para seguir como exemplo, a experiência foi um pouco diferente, como a própria explica: “eu e a minha equipa não tínhamos exemplo a seguir, era começar do zero, o que, por um lado, foi difícil, mas, por outro, foi muito desafiador e recompensador”. Já Sara, afirma ter pedido conselhos e apoio tanto a adultos como a jovens colegas, mas também foi desafiada com esta eleição: “O nosso grupo ainda esta a tentar perceber e selecionar as melhores propostas para entreter os jovens durante esta fase difícil, o que é mais complicado porque temos que pensar fora da caixa para encaixar os objetivos ao momento em que estamos”. 

“Foi uma experiência que guardo com muito carinho e que me permitiu conhecer pessoas incríveis, descobrir opiniões diferentes, construir consensos e concretizar ideias fantásticas”, diz Sofia Pais.

Foto: Câmara Municipal de Santa Maria da Feira

Aproveitando o melhor que este projeto e esta experiência têm para oferecer, ambas as jovens possuem ideias para o seu futuro. Contudo, enquanto Sara, a mandato desde dezembro de 2020, aproveita o seu último ano de liceu para pensar na profissão que quer escolher para a sua vida, Sofia afirma querer manter-se “uma voz ativa e desenvolver projetos que façam a diferença no seu concelho e no país”.

“Tenho retirado deste projeto um espírito de equipa, aprender a ouvir mais e aceitar mais a divergência de opiniões”, indica Sara Prata.

Até ao final deste ano – 2021 – Sara Prata mantém-se no comando, como Jovem Autarca eleita pelos jovens do concelho.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta