Franceses Collectif Kaboum vencem Mais Imaginarius em Santa Maria da Feira

Foto: Denise Pessoa

Os franceses Collectif Kaboum são os vencedores do Mais Imaginarius’19, o concurso internacional que desafia artistas emergentes a apresentarem criações para o espaço público durante o Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua em Santa Maria da Feira.

Conquistaram o júri com um espetáculo de circo, Système D, e vão receber uma bolsa de apoio de cinco mil euros, assim como um convite a criar um novo projeto para estrear na próxima edição do festival.

Ao todo, foram 20 projetos de vários países (Austrália, Bélgica, Eslováquia, Espanha, França, Itália, Inglaterra e Portugal) que estavam a concurso durante este evento, que decorreu de 23 a 25 de maio. Todos os projetos integraram a programação do festival e receberam bolsas de apoio às deslocações, refeições e alojamento, num investimento global de cerca de 12 mil euros por parte da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira.

O espetáculo de circo que os vencedores protagonizaram baseou-se na técnica de mão a mão, as alegres personagens que revisitaram momentos do quotidiano, um carrinho feito de restos, puxado por uma motocicleta remendada, entre outras imagens.

O júri foi composto por: Fátima Lambert, professora do Instituto Politécnico do Porto, na ESE – UTC – Estudos Culturais e Sociais; Isabel Bezelga, professora do Departamento de Artes da Universidade de Évora; Valdemar Cruz, jornalista cultural e coordenador no “Expresso”; José Prata, arquiteto e professor responsável pelos SA/ESMAE-IPP e professor adjunto da área artístico-científica de produção e tecnologias da música da ESMAE/IPP; e Stine Polke-Pedersen, consultora cultural e parceira no PASSAGE – Festival International Street Theatre in Helsingor, Denmark.

O Mais Imaginarius, como refere a autarquia em comunicado, é uma secção do festival Imaginarius que “pretende dar espaço a artistas emergentes com vontade de mostrar o seu trabalho, através de um concurso de criações artísticas”, que abordam o espaço público nas suas diversas perceções, testando formatos e modelos, rumo à construção de novas identidades artísticas.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta