1.ª Jornada da I Liga: Início da época com menos uma partida entre clubes do norte

Imagem: Ana Regina Ramos

A I Jornada da I Liga ficou marcada pelo cancelamento do jogo entre o Sporting CP e o Gil Vicente FC devido à existência de casos de Covid-19 nos dois plantéis.

Sexta-feira, 18 de setembro: FC Famalicão 1 – 5 SL Benfica

Depois de ter perdido na Liga dos Campeões, o SL Benfica venceu por cinco bolas a uma o FC Famalicão. Waldschmidt, Everton, Rafa e Grimaldo foram os autores dos golos da equipa das águias. Durante a primeira parte foram marcados três golos e os restantes dois surgiram já no segundo tempo.

Já nesta segunda parte viu-se um FC Famalicão mais superior, mas, à medida que o jogo ia avançando para o fim, o SL Benfica voltou a dominar a partida. Guga fez o único golo da partida da parte dos famalicenses, que entraram com o pé esquerdo na nova temporada.

Vitória SC 0 – 1 Belenenses SAD

O primeiro e único golo da partida surge aos 47 minutos de jogo, com Cafu Phete, antigo jogador da equipa minhota. O Vitória SC desperdiçou várias oportunidades de golo e entrou com o pé esquerdo na época.

 

Sábado, 19 de setembro: CD Nacional 3 – 3 Boavista FC

A equipa visitante entrou melhor no jogo, acabando mesmo por serem os primeiros a marcar aos 19 minutos, pelo pé de Gustavo Sauer. O CD Nacional não se deixou ficar e deu a volta ao marcador, aos 28 minutos, através de Brayan Riascos e, aos 36, por João Vítor.

Ricardo Mangas faz o segundo golo dos axadrezados, já nos descontos da primeira parte, e, novamente, Gustavo a marcar pelo Boavista FC. Mais uma vez, o CD Nacional não se deixou ficar e também nos descontos, desta vez, do segundo tempo, Camacho faz o empate.

Sporting CP – Gil Vicente FC

O confronto entre os dois clubes foi adiado, uma vez que quer jogadores quer equipa técnica de ambas as equipas testaram positivo à Covid-19.

FC Porto 3 – 1 SC Braga

Foi o SC Braga que inaugurou o marcador aos 21 minutos, através de Castro, contudo a equipa de Sérgio Conceição não se deixou ficar e, ainda na primeira parte, mas já nos descontos, Sérgio Oliveira e Alex Teles (penálti) fazem dois golos.

Já na segunda parte, Alex Telles, novamente através da marca da grande penalidade, bisa na partida e marca o terceiro golo a favor do FC Porto.

Com este resultado, os azuis e brancos iniciaram da melhor forma a defesa do título nacional ganho na temporada anterior, 2019/2020.

 

Domingo, 20 de setembro: Moreirense FC 2 – 0 SC Farense

O SC Farense está de volta à I Liga, 18 anos depois. Logo no primeiro minuto de jogo, o Moreirense FC inaugura o marcador, com Filipe Soares a servir Fábio Abreu para o golo.

O SC Farense foi crescendo no jogo apesar de não conseguir chegar ao golo, criando mesmo algumas oportunidades, mas sem sucesso nas finalizações.

Já na segunda parte, a equipa da casa acaba por resolver a partida a seu favor, com Alex Soares a servir Pedro Nuno para golo, em que este apenas teve que encostar para o fundo da baliza adversária.

CD Tondela 1 – 1 Rio Ave FC

O CD Tondela iniciava a sua participação na expectativa de travar os vilacondenses, que se encontram entre jogos de apuramento para a Liga Europa.

Na resposta a um golo invalidado a Piazón, os visitados acabaram por marcar logo aos 9 minutos, por intermédio de Ricardo Alves, novo capitão dos beirões, na sequência de um canto de Salvador Agra. Foi o mote para potenciar uma postura com que os tondelenses se costumam sentir confortáveis, recuando a sua linha defensiva e esperando a oportunidade ideal para desferir contra-ataques, geralmente perigosos.

O Rio Ave FC foi insistindo com uma circulação paciente e ameaçando o golo, que foi sendo adiado pela defensiva visitada até que, já nos descontos, o recém entrado Meshino, nipónico emprestado pelo Manchester City, puxou dos galões do seu potencial para irromper pela esquerda e, com uma assinalável capacidade de execução, finalizar cruzado.

Divisão de pontos para as equipas dos estreantes Pako Ayestarán e Mário Silva.

 

Segunda-feira, 21 de setembro: Portimonense SC 1 – 1 FC Paços de Ferreira

Num jogo entre equipas que lutaram pela manutenção na época passada, olhando aos onzes e aos plantéis em geral, esperava-se um jogo que marcasse a diferença para uma nova temporada, de parte a parte.

A verdade é que só ao cair do pano da etapa inicial se registou um momento de interesse: canto de João Amaral e, apesar dos festejos de Marco Baixinho, foi Lucas Possignolo a desviar para a sua própria baliza, dando a vantagem aos visitantes.

Paulo Sérgio mexeu na equipa logo ao intervalo e, pouco depois do reatamento, Lucas Fernandes cobra um livre “com régua e esquadro”, que encontrou a cabeça do regressado Fabrício para o empate.

Apesar desse momento, a partida seguiu com poucos momentos de bom futebol, apenas se tornando emocionante nos minutos finais: primeiro uma grande penalidade assinalada… e revertida, que favoreceria os algarvios; logo a seguir, novo castigo máximo, desta vez validado, agora para os castores, cobrado e… falhado por Douglas Tanque.

Um final dramático para duas equipas de quem se espera mais ao longo da temporada.

Filipa Rocha e Eduardo Carvalho

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta